Totem

Álbum.

Totem

Single Image

SpotifyList.

Letras.

Baile de Búfalo

...seção sendo atualizada.

Pássaro Feio

...seção sendo atualizada.

Coiote Negro

...seção sendo atualizada.

Raio da Montanha

...seção sendo atualizada.

Paralaxe

...seção sendo atualizada.

Valquíria

...seção sendo atualizada.

Uma Mulher Para Amar

...seção sendo atualizada.

I Feel Free

...seção sendo atualizada.

Labrador

...seção sendo atualizada.

Bruxa

...seção sendo atualizada.

Vídeo.

Resenha.

O excelente quarteto maranhense Gallo Azhuu lançou, no ano de 2015, o ótimo álbum "Totem", calibrado com um um rock'n'roll de primeiríssima qualidade, o qual vale a pena ser ouvido em alto e bom som.

Quando comecei a ouvir rock, em meados de 1994, bandas como Black Sabbath, Led Zeppelin e Grand Funk Railroad, deram um nó na minha cabeça, tanto pelo peso, quanto pela massa sonora cheia de "riffs".

Em 2015 quando ouvi o álbum "Totem", do Gallo Azhuu, tudo isso voltou à tona: "riffs" pesadíssimos, baixo no talo, bateria destruidora e um vocal rasgado que beira o insano. Tudo como nos velhos anos 70, com letras estradeiras e psicodélicas, naquela velha máxima: "sexo , drogas e rock and roll".

Na primeira música, "Baile de Búfalo", a banda já entra com os dois pés na porta, numa mistura surreal de Led e Grand Funk, num andamento mais acelerado.

"Pássaro Feio": outro petardo do quarteto maranhense, um festival de "riffs", com o baixo, por hora costurando , por hora fazendo as dobras. Sem dúvidas uma das melhores do disco (aonde esses caras arrumam tantos riffs?).

A estradeira "Coiote Negro", fala sobre sobre uma índia tatuada, que transforma seu melhor amigo num coiote negro, e tem um incrível solo de guitarra com muito "feeling".

"Raio Da Montanha" é a minha preferida do disco, uma belíssima introdução de violão, seguida de um "riff" espetacular, daqueles que grudam na mente, voltando para uma guitarra semi-acústica, "mezzo" clássica, "mezzo" jazzística, pra depois se fundir numa explosão "hard/blues" "a la" Blue Cheer: clássica.

"Paralaxe" , é outro "hard" de "responsa", seguida da instrumental "Valquiria": "stoner" de primeira linha, com belíssimas melodias de guitarra, destaques para a dupla Ruan Cruz e Patrick Abreu. A bateria é um show a parte.

"Uma Mulher Pra Amar", um rock blueseiro com letra romântica, claro que no melhor estilo Gallo Azhuu, com um refrão incrível, outro destaque do disco. Atuação soberba do vocalista Patrick Abreu.

"I Feel Free" (não, não é um "cover" da banda Cream!) é a única música cantada em inglês. Excelente.

"Labrador", outro "hard" vigoroso, com uma letra curta , que fala de um cachorro labrador e seu sexto sentido.

Fechando o disco, temos a música "Bruxa", que começa com um baixo pulsante (alias o baixo desse disco é digno de nota), partindo pra um alucinante "stoner". A banda fez até um vídeo pra esta música, que pode ser conferido abaixo.

Se você gosta de um som bem tocado , norteado por "riffs" intrincados, baixo pesado e bem timbrado, solos de guitarra "a la" anos 70, então a audição desse disco é obrigatória, um dos melhores lançamentos dos últimos anos.

(Resenha por Marcel Zangirolami - Gangland)